Em defesa final, Lula diz que não é dono do sítio e que Moro o persegue



 Nas manifestações finais no processo do sítio de Atibaia (SP) apresentadas nesta segunda-feira (7), a defesa de Luiz Inácio Lula da Silva (PT) voltou a dizer que o ex-presidente é vítima de perseguição política e deve ser absolvido na ação por falta de provas e supostos abusos de conduta ao longo do processo.

Em documento de 1.643 páginas entregue à Justiça Federal, os advogados de Lula criticam o ex-juiz federal Sergio Moro, que era responsável pelos processos da Lava Jato em Curitiba, e dizem que o ex-magistrado “jamais se revestiu” da “necessária imparcialidade, impessoalidade e independência” para o andamento do processo.

A defesa de Lula também afirma que o ex-presidente “não é e jamais foi” proprietário do sítio em Atibaia.

Neste processo, Lula é acusado de ter sido beneficiado de reformas realizadas por empreiteiras em um sítio que é propriedade de Fernando Bittar, amigo da família do ex-presidente. Segundo a acusação, as obras seriam uma contrapartida a contratos obtidos entre as empreiteiras e a Petrobras. Lula responde pelos crimes de lavagem de dinheiro e corrupção passiva.

Apesar de negar que Lula tenha cometido os crimes, a defesa afirma que o crime de corrupção passiva do qual o ex-presidente é acusado já prescreveu.

Isso porque o ex-presidente tem mais de 70 anos, o que reduz o prazo de prescrição à metade, passando para 10 anos — os fatos teriam ocorrido entre 2003 e 2004, quando Lula era presidente da República.

Críticas a Moro e Bolsonaro

Moro pediu a exoneração do cargo em novembro do ano passado, após aceitar um convite de Jair Bolsonaro (PSL) para comandar o ministério da Justiça e Segurança Pública. O “sim” do ex-juiz a Bolsonaro é usado pelos advogados de Lula como argumento para afirmar que o ex-presidente não recebeu um julgamento justo.

“(…) magistrado que presidiu a fase de investigação atualmente é ministro do governo do Presidente eleito a partir de sufrágio que impediu a participação do Defendente [Lula] — até então líder disparado em todas as pesquisas de opinião — a partir de atos concatenados praticados ou com origem em ações praticadas pelo mesmo juiz”, diz um trecho do documento.

Os advogados também associam Moro a Bolsonaro ao lembrar que o novo presidente da República já anunciou que iria “fuzilar a petralhada”, que o petista deveria “apodrecer na cadeia” e que seus aliados políticos têm a opção de deixar o país ou ir para a cadeia. O discurso de Bolsonaro, em que ele falou em “varrer do mapa os bandidos vermelhos do Brasil”, foi transmitido para apoiadores na avenida Paulista, em outubro do ano passado, pouco antes do segundo turno das eleições.

Falta de vínculos com a Petrobras

Nos autos, a defesa ainda sustenta que não há comprovação concreta de um elo entre a reforma de Atibaia com contratos firmados entre a Petrobras e empreiteiras. O vínculo, segundo o texto, é comprovado apenas por delações de empresários processados e condenados.

“A absurda tese sustentadora de um pacto de corrupção não encontra qualquer elemento idôneo de prova, salvo as declarações de uma pessoa condenada a dezenas de anos de reclusão e que, conforme noticiado pelos veículos da imprensa, é cruelmente pressionado a incriminar o ex-presidente Lula, inclusive no presente feito, para conseguir formalizar um acordo delatório e conseguir a sua liberdade”, dizem os advogados.

Créditos: Uol

 




Comentários


Comentar


Sidebar Menu